Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Neta da Luísa

A Neta da Luísa chama-se Bárbara. Tem 23 anos e um gosto incalculável pela escrita, moda, lifestyle e beleza. Não é uma expert em nenhum dos assuntos, mas tem uma paixão imensa por todos eles.

A Neta da Luísa

A carta que (quase) pôs a família a chorar.

17808458_ZoHzK (2).jpeg

 
Graças a Deus, mais um natal que passamos juntos. Felizmente, a vida tem-nos abençoado com saúde e alguma estabilidade, que nos continua a permitir passar este dia em família. Nesta noite, mais do que receber, devemos agradecer - agradecer a oportunidade de continuarmos a passar este dia todos juntos, com saúde e alegria. 
 
Não são muitas as famílias quem têm a sorte de ter uma reunião como a nossa, que tradicionalmente realizamos neste dia. Somos uns sortudos por ter a dádiva da união, compreensão, entreajuda e amor. E mais sortudos ainda por continuarmos a semear estas sementes, mesmo em períodos de maior seca.
 
O tempo vai passando, as crianças vão crescendo, algumas pessoas vão partindo e a felicidade desta época poderia ter tendência a esvair-se na melancolia e angústia que para muitos imperam nesta altura.. No entanto, nestes dias, temos que pensar nos que ainda aqui estão, e rezar para que assim seja por muito tempo. Pensar nos que já nos deixaram é inevitável, até porque são as lembranças que ainda mantém a presença,  mas abraçar os que vão chegando, fazendo a nossa família crescer, deve ser motivo de esperança, fé e coragem para enfrentar a dor da ausência e da cruel natureza da vida e da idade.
 
Hoje, vejo que, mesmo que por vezes sejamos cegos em relação a esta verdade, temos todos os motivos para sermos felizes e gratos: a nossa família está unida, com saúde, emprego, casa, filhos e amor. E quando algum destes elementos falha, todos os outros se mantém, mantendo assim, muitas vezes, os pilares que sustentam os nossos lares, impedindo que estes caiam mesmo nas mais violentas tempestades. Temos o dom de ter a força do afeto a segurar os nossos maiores pesos e a determinação do companheirismo para nos ajudar a enfrentar as nossas maiores batalhas. Nenhuma guerra pode acabar em derrota, quando esta equipa, a nossa família, só luta para vencer. 
 
Estou certa de que Deus nos tem acompanhado neste nosso percurso, por vezes difícil, que é a vida. Afinal, já apanhámos alguns sustos, já vivemos com alguns receios, já enfrentámos medos que, felizmente, nunca se concretizaram em fantasmas assustadores que nos poderiam assombrar a vida. A presença Dele vai deixando o seu rasto quando ilumina os nossos dias, por vezes envoltos numa grande escuridão - é o que acontece quando as nossas maiores dores não passam de doenças ligeiras, quando os nossos exames médicos revelam a normalidade da nossa saúde, quando encontramos um emprego mesmo com a grande taxa de desemprego que impera nosso país, quando passamos naquele exame difícil da faculdade, quando encontramos um estágio pertinho de casa, quando recebemos aquela bolsa de estudo que dá tanto jeito, quando passamos de ano mesmo que seja por pouco, ou quando surgem oportunidades alternativas para aquelas áreas da nossa vida em que não temos tanto sucesso. 
 
Temos de agradecer, acima de tudo, o facto de termos motivos para estarmos gratos. Agradecer à vida, a Deus, à sorte, ao destino, ao karma, à determinação, à luta mas, acima de tudo à nossa família. Afinal, nenhum sucesso é válido quando não é partilhado. O que importa na vida não são as conquistas que vamos arrecadando, mas sim o facto de haver pessoas que estão do nosso lado para ficarem orgulhosos por elas.
 
Rezemos para que, no próximo ano estejamos de novo todos juntos, por esta hora, para celebrar este dia e, acima de tudo, para celebrar a nossa família. Vamos fazer votos para que a tendência seja sempre de mais pessoas nesta sala, e não o contrário. Não há problema se tivermos de ir buscar mais cadeiras ao jardim ou juntar mais uma mesas - triste seria se houvessem cadeiras vazias ou lados da mesa sem gente. Que venham as namoradas, companheiras, esposas, filhos. Mas que durante muitos anos não se vão os avós, os tios, os pais... ou algum de nós.
 
Feliz Natal a todos.