Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Neta da Luísa

A Neta da Luísa chama-se Bárbara. Tem 23 anos e um gosto incalculável pela escrita, moda, lifestyle e beleza. Não é uma expert em nenhum dos assuntos, mas tem uma paixão imensa por todos eles.

A Neta da Luísa

Como faço a gestão do meu tempo?

9c7b46f1fb3fe9b6421ca4ac242d79fd.jpg

[Pinterest]

 

 
 
Já falei aqui várias vezes do quanto tem sido difícil aprender a gerir estes novos horários. Desde julho do ano passado que não sabia o que era ter este tipo de rotinas e, muito menos, a obrigação de me levantar antes das 9.30/10.00 horas da manhã, exceto no mês de Dezembro, quando estive a trabalhar na pista de gelo. 
 
Este novo ano, trouxe-me, felizmente, a oportunidade de voltar à lufa lufa do dia-a-dia típico de quem trabalha. No fim de janeiro comecei a trabalhar no Lidl e isso implicou começar a levantar-me as 5.30 horas da manhã em alguns dias. Agora, no início de março, surgiu mais uma oportunidade profissional (sobre a qual já falei aqui) e que me voltou a obrigar a redifinir horários e a estudar uma melhor gestão do tempo.
 
No Lidl trabalho, por norma, quatro dias por semana. Agora com a leccionação da AEC, faço manhãs durante a semana (duas ou três) e um horário aleatório ao fim de semana - não trabalho dias fixos nem horários fixos, e vou tendo conhecimento do meu horário de forma mensal. A AEC acontece todos os dias das 16.30 às 17.30, e ainda me exige cerca de 30 km de viagem diários.
 
Sei que parece que tenho imenso tempo livre mas, acreditem, o tempo voa e, por norma, não dá para fazer nem metade do que tenho planeado. Até porque, imaginemos
 
 
se sair do Lidl ao meio dia, tenho até as três e meia - (agora no início, enquanto não estou familiarizada com as viagens, vou com bastante antecedência) - para fazer muitas coisas, correto?
 
 
ERRADO - ao início eu também pensava que sim. Mas é chegar a casa, almoçar, tomar um banho, dar os últimos preparativos na aula do dia e seguir viagem. Por vezes, o facto de não termos um horário normal ainda dificulta mais a forma como nos organizamos.
 
Mas, então, como faço a gestão da minha vida agora?
 
1. Acho que o mais importante é rentabilizar o tempo. Aproveitar todos os tempinhos. Ter consciência que, todos os dias, temos que ter tempo para tudo: para o trabalho, para o trabalho fora do trabalho, para as tarefas domésticas (sim, porque apesar de viver com os meus pais, gosto de colaborar o máximo que puder!), para estar com quem gostamos e para relaxarmos. 
 
2. Planificar o que fazer nos intervalos dos trabalhos - hoje, por exemplo, aproveitei a minha hora de pausa no Lidl para escrever este post. Como era apenas uma hora, achei desnecessário ir a casa e rentabilizei o tempo: escrevi o post que, depois, é só ajeitar e colocar online. Há dias em que tenho duas horas de pausa e, aí, opto por ir a casa adiantar algumas coisas - apanhar ou estender roupa, adiantar refeições... O que for preciso. 
 
3. Aproveitar a pausa entre os dois trabalhos - normalmente, como tenho algumas horas entre sair do Lidl e ir dar a aula, aproveito para tomar banho e arranjar-me e, depois, adiantar alguma planificação das aulas ou algum trabalho do blog. Tento, mesmo aqui, rentabilizar o tempo ao máximo - se chegar a casa e estender uma máquina de roupa, enquanto trabalho no computador ela seca e, antes de voltar a sair de casa, ainda consigo apanhá-la e deixá-la dobrada (por exemplo).
 
4. Aproveitar o fim do dia para tarefas que me dão mais prazer - ultimamente tenho tido alguma dificuldade em fazer exercício físico, mas tenciono voltar às minhas caminhadas e inseri-las no horário de fim de tarde. Acho importante que, depois de um dia de trabalho, consigamos usufruir do resto do dia em coisas que gostamos - às vezes aproveito para pesquisar coisas giras para fazer com os meus meninos, para ver e comentar alguns blogs, para escrever no meu próprio blog, gerir as redes sociais, por a conversa em dia com a malta cá de casa ou inventar um bocadinho na cozinha na companhia da mãe. 
 
5. Por norma, depois de jantar e ajudar na arrumação da cozinha (muito facilitada pela nossa nova aquisição, da qual já falei aqui) tento, exclusivamente, relaxar. Ver a série preferida com o P , já de pijama vestido e às vezes apenas com um olho aberto. Ver as novidades no facebook e instagram... Essas coisas boas que todos nós gostamos de fazer.
 
6. Nos dias em que não trabalho no Lidl e, portanto, só dou a aula à tarde, aproveito para dormir mais um bocadinho. Ponho a novela preferida em dia, dou uma arrumação na casa, preparo aulas e reuno material. São dias mais relaxados, em que o pequeno almoço é tomado sem pressas e o pijama sai do corpo mais tarde. As janelas são abertas para a casa arejar e é altura de deixar entrar as boas energias e recuperar forças para os dias seguintes. 
 
Claro que, teoricamente, é mais ou menos assim que tudo funciona. Ou melhor, em alguns dias, era assim que eu gostava que funcionasse. Porque na prática, já sabemos que nem sempre as coisas correm como temos em mente e é preciso fazer ajustamentos a tudo aquilo que idealizámos fazer num dia. 

1 comentário

Comentar post