Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Neta da Luísa

A Neta da Luísa chama-se Bárbara. Tem 23 anos e um gosto incalculável pela escrita, moda, lifestyle e beleza. Não é uma expert em nenhum dos assuntos, mas tem uma paixão imensa por todos eles.

A Neta da Luísa

Onde se compra a "experiência profissional" ?!

Experiência miníma exigida. Tem experiência? Requisito exigido: experiência profissional.

aea3294c8012ffae3a091bcdce43d086.jpg

 

Raios partam a experiência. Mas como pode algum jovem trabalhador ter experiência, se nenhuma entidade empregadora nos dá a oportunidade de a obter? 

29da5f3de4b7df70b8aaa4f7b7e0367f.jpg

3c60b1563bd813422383681ff434f744.jpg

 

 

Iniciei agora a minha procura de emprego e, em poucos dias, já consigo ter uma real e dura perceção da realidade. O que mais dói? Não saber se a situação é temporária ou permanente. Não saber se teremos trabalho no próximo mês ou nos próximos anos. Não saber quando e como vamos ter a nossa independência. Não saber se teremos, algum dia, possibilidade de constituir família ou, simplesmente, de viver a dois.

 

 

E no meio de tudo, dói ainda mais esta busca incessante e rídicula pela experiência profissional.

 

Quem garante ao empregador que um funcionário com experiência executa melhor a sua tarefa do que um trabalhor com disponibilidade e ânsia de aprender? Quem garante que a experiência não torna os colaboradores mais comodistas e confiantes, fazendo-os, por vezes, limitar o seu esforço durante o seu trabalho diário?

Não tenho experiência profissional, é certo. E nunca a vou ter, se todos continuarem a exigi-la. Nunca vou ser experiente se só derem oportunidade aos experientes. Nunca vou singrar se só deixarem crescer quem já deu o primeiro passo. Sim, não tenho experiência, mas tenho dentro de mim uma motivação enorme para começar a desbravar caminhos, para aprender com gosto e dedicação com quem me quiser ensinar. 

É esta a triste realidade de nós, jovens de hoje em dia. Uma realidade de luta mas com vitórias raras ou, por vezes, tardias. Uma realidade de "não estamos a recrutar na sua área", "precisamos de alguém com experiência", "agradecemos os contactos mas já temos os quadros preenchidos", "temos os colaboradores suficientes". Um realidade de 5% de respostas, sendo 100% delas negativas. 

Há, no nosso país, uma errada proporção entre quem se disponibiliza a ensinar e quem tem vontade de aprender, no que diz respeito ao mundo laboral. Existe uma relutância extrema em conceder oportunidades a mentes mais jovens e a ideias mais "frescas". Perdura, no sistema atual, uma grande insensibilidade face a todos aqueles que se mostram disponíveis por iniciar um percurso, mesmo com a consciência do quanto este pode, por vezes, ser sinuoso. Todo imploramos pelo mesmo: uma oportunidade - para mostrar o que aprendemos e o que ainda somos capazes de aprender. Uma oportunidade para nos tornarmos experientes, como todos querem. Mas se todos querem e ninguém dá, algo está errado, não?

Não temos experiência profissional, mas temos a vontade que falta ao nosso país. A força que falta ao nosso mundo. E acima de tudo, a persistência que nos faz acreditar que, um dia, chegará a nossa vez.

8 comentários

Comentar post