Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Neta da Luísa

A Neta da Luísa chama-se Bárbara. Tem 23 anos e um gosto incalculável pela escrita, moda, lifestyle e beleza. Não é uma expert em nenhum dos assuntos, mas tem uma paixão imensa por todos eles.

A Neta da Luísa

Síndrome do Último Ano

P1010021.JPG

384710_302704133094969_1468983849_n.jpg

386681_311634788850177_100000109764177_1430707_358

378153_302703886428327_798997245_n.jpg

SDC15307.JPG

297936_10150346848839177_630029176_8187690_1599027

309756_262968540407264_100000823618737_651496_6702

CIMG0597.JPG

CIMG0834.JPG

CIMG0841.JPG

P5050709.JPG

CIMG1491.JPG

CIMG1501.JPG

931338_367208376732953_416986708_n.jpg

CIMG1540.JPG

CIMG1554.JPG

CIMG1438.JPG

CIMG1439.JPG

CIMG1454.JPG

64441_225929417583247_916668745_n.jpg

CIMG4596.JPG

CIMG4671.JPG

CIMG4621.JPG

CIMG4682.JPG

10257990_10203161098642704_5233379196487405739_n.j

1379826_213189908857198_554305131_n.jpg

CIMG4157.JPG

1379291_213186605524195_199471209_n.jpg

CIMG4191.JPG

CIMG4220.JPG

CIMG4227.JPG

CIMG6195.JPG

CIMG6193.JPG

CIMG6072.JPG

CIMG4225.JPG

CIMG4217.JPG

1382378_10201607310278966_791153672_n.jpg

1378555_595051220551978_2110847227_n.jpg

CIMG0836.JPG

CIMG0837.JPG

 

Há sempre aquele momento em que estamos perto do fim e a única vontade que temos é recomeçar - viver tudo o que não vivemos, viver melhor tudo o que vivemos, viver mais e viver diferente. 

 

Coimbra, tornou-me mulher. Deu-me armas para enfrentar as batalhas e, acima de tudo, ensinou-me a usá-las. Colocou-me á prova e chegou a vencer-me algumas vezes. Mas fez-me aprender com as minhas próprias derrotas. Em Coimbra comecei muitos capítulos, encerrei outros, virei a página de muitos livros e dei alguns por terminados... definitivamente. Coimbra vai sempre ser abrigo de muitas lágrimas, muitas revoltas, muitas indecisões, muitas dúvidas. Mas também de muitas alegrias, muitos sucessos, muitas vitórias, muitos momentos felizes e muitas emoções.

 

Hoje, sei que vivi estes cinco anos de forma altamente proporcional à minha personalidade: sem exageros, sem ceder a pressões, sem preocupação com opiniões alheias e sem nunca deixar de ser o reflexo de mim mesma. Orgulho-me de Coimbra me ter tornado mais eu mesma, sem nunca me sentir tentada a mudar aquilo em que ao longo destes 23 anos me tornei. 

 

O Adeus dói. Não dói pela saudade do que não foi feito - porque o que não foi feito, foi porque na altura eu assim quis. Dói sim, por saber que não o poderemos fazer mais. Que tudo aquilo que um dia fiz e me fez feliz, não poderá voltar a ser feito. Dói por ser um encerrar de um capítulo que foi, maioritariamente, feliz. Dói por deixar para trás uma faculdade e uma terra que me acolheu de braços abertos - mesmo quando senti que as suas gentes não o souberam fazer. O Adeus não custa apenas pelas noites de queima (poucas) que não vamos poder mais ir. Dói pelas pessoas que ficam para trás, que a força da distância não apaga mas, mesmo sem querer, afasta. Pelo tempo de juventude que vimos fugir-nos por entre os dedos, pelas saudades que a intensidade do passado nos fará sentir... no passado.

 

Coimbra deu-me tanta coisa... Mas acima de tudo, deu-me a oportunidade de selecionar quem quero guardar no coração, e como. Quem quero sempre abraçar num abraço profundo e imaginário. Quem quero esquecer. Quem quero, simplesmente, recordar a forma como me fizeram crescer ainda mais. Quem me pôs a prova, me desiludiu, me recriminou. Mas acima de tudo, tenho de agradecer a Coimbra as pessoas que me surpreenderam. Me apoiaram. Me compreenderam. Tenho de agradecer por todas aquelas pessoas que Coimbra fez gostarem de mim, independentemente das minhas obsessões, inseguranças e paranóias.

 

Obrigada Coimbra.

Obrigada Bia, Cátia, Madalena, Guida, Bárbara, João Diogo, Micaela, Rita e Madrinha Marina.

Isto foi escrito a pensar em vós.